Montanhas do Paraná e do Brasil

Montanhas do Paraná e do Brasil

Compartilhe

terça-feira, 26 de abril de 2011

Feriado em Bombinhas

Sabe aquele passeio ou aventura que estava entalado na garganta e que não rolou por algum motivo? Bombinhas -SC foi assim, um passeio dos sonhos, dos planos de passar nossa lua de mel nesse lugar lindo, mas que na última hora, por não ter rolado foi realmente frustrante. Mas deixa pra la, Deus sabe todas as coisas, certo? A montanha esta la, as praias estão la, as trilhas também, é só esperar o momento certo para poder visitar. Para quem não conhecem, como eu não conhecia, Bombinhas fica no litoral de Santa Catarina e é o menor município do Estado e cerca de 70 km do capital. Um lugar lindo!

Eu e minha esposa e Viviane Kanuto, excelente companhia para passeio, marcamos o feriado de Tiradentes e Sexta-feira Santa para conhecer melhor esse lugar. Pegamos uma pousada barata e muito confortável, a qual indico: “Pousada Canaã”. Saímos quinta-feira bem cedo para não ter que pegar muito trânsito. Sem chance! Uma viajem que demoraria em média 2h 30 min. demorou foi 6 horas. Um transito infernal, dois grandes acidentes e algumas filas no pedágio. Passamos no pé da montanha Araçatuba, não imaginava que ela era tão alta. Chegamos em Bombinhas já era meio dia. Deixamos tudo na pousada e fomos conhecer o lugar.
Araçatuba coberto pelas nuvens
Conhecemos primeiramente a praia de Quatro Ilhas. O mar é bem revolto, ótimo para quem gosta de surfar. Logo fomos para a praia de Sepultura, onde no dia seguinte praticaríamos snorkel. Logo em seguida fomos para o Retiro dos Padres, lá tem um dos melhores campings da cidade. O mar é bem bravo também, tinha alguns surfistas praticando o esporte. Depois fomos para Mariscal, uma extensão de 4 km de praia limpa e areia branquinha tiramos algumas fotos e fomos conhecer mas para frente da praia. Paramos em Canto Grande. Enquanto a praia de Mariscal é bem agitada, Canto Grande é de praia mansa e tranquila, propícia para criação de mariscos e ostras. Um trapiche embeleza o lugar, o sol tocava na agua e deixava tudo muito mais lindo. Do lado do trapiche começa a trilha para a Praia da Tainha, mas essa trilha ficará para uma próxima visita.
Costão do Zimbro ao fundo
Praia Canto Grande
Trapiche de Canto Grande, a trilha da Tainha está bem próximo







Praia 4 Ilhas
Boulder?
Mariscal

Estrada para Mariscal, início é estrada de chão
Retiro dos Padres
Era possível ver pessoas visitando o morro do macaco, um morro de aproximadamente 500 metros de altura, de onde é possível ver toda a Praia de Mariscal e Canto Grande. Mas resolvemos ir para a praia da Conceição e subimos sentido à praia da Tainha, um subidão em estrada de chão bem chato, acredito que em dias de chuva fica impossível subir. Fomos até a entrada de um museu, onde ali próximo começava a trilha para subir no morro conhecido como 360º, paga-se um taxa de R$ 2,00 que é usado para manutenção, o lugar é bem cuidado tem um vista linda de toda a praia e também no horizonte é possível ver Floripa. No final do morro tem uma tirolesa. Fiquei curioso para saber o preço,perguntei, mas achei um pouco caro: R$ 35,00. Vimos um carinha descer e depois voltamos para a pousada.
Vista no Morro 360º

Morro dos Macacos
Mariscal, Canto Grande e Zimbro vista do Morro 360º
Floripa
No dia seguinte o sol estava bem forte e fomos então para a Praia de Sepultura para fazer o tal do snorkel. Alugar o equipamento no local custa R$ 8,00 por hora mas encontrei uma dessas lojas de mergulho onde é possível alugar por R$ 15,00 o dia todo, o que valeu a pena! Pegamos dois e fomos brincar. No começo deu uma sensação horrível, não se respira pelo nariz, somente pela boca e, para quem não é acostumado, no começa é bem complicado pegar o macete da mascara, só não consegui me adaptar com o pé de pato, cheguei a ter cãibra, então resolvi ficar sem. É possível ver muito peixes, pois a praia de Sepultura é bem calma, tranquila e de águas cristalinas, ótimo para esportes náuticos.

Praia da Sepultura

Praia da Lagoinha
À tarde devolvemos as mascaras, e voltamos para a pousada. O tempo já começava a mudar. Sábado seria o dia escolhido para fazer uma trilha conhecida como “Costão do Zimbro”, uma trilha que te leva em quatro lindas praias desertas. Viviane não é acostumada a trilhas, começamos já era umas nove da manhã, a trilha é bem fácil de fazer e começa bem no final da praia de Zimbro, onde se vende os melhores peixes. Às duas primeiras praias se chega rápido, em menos de vinte minutos já é possível chegar nelas. Primeiro a praia do Cardoso e logo em seguida a praia da Lagoa. A penúltima praia é muito linda e tem um nome que não combina muito com ela, praia Triste, onde na parte de cima do morro próximo a ela tem uma casa aparentemente abandonada e a trilha para a última praia conhecida como praia Vermelha, essa que ficará para a próxima oportunidade. A nossa ideia era chegar somente na praia Triste. A trilha não é sinalizada, mas não tem como se perder, o acesso é simples e com trilha bem larga, como choveu à noite a trilha estava um pouco lisa, não houve acidentes ou quedas, somente minha mão que apareceu queimada depois, acredito que alguma lagarta deve ter passado na minha mão sem eu perceber. Senti o queimado somente depois, a trilha demora um pouco mais de duas horas de caminhada ida e volta.
Costa do Zimbro

Praia deserta da Lagoa
Única casa aparentemente habitada nas praias desertas
Casa ao fundo aparentemente abandonada na praia Triste
Um lanche no final da trilha
Praia Triste







Praia da Lagoa




Praia do Cardoso

Começo da trilha
Voltamos para a pousada, descansamos um pouco e nos preparamos para um churrasco à noite, Preparamos um churrasco regado de umas cervejinhas e caipirinhas, ficamos batendo papo até umas dez da noite e fomos para o centro de Bombinhas, as ruas estavam bem desertas e as lojas fechadas, bem diferente das ruas do litoral paranaense, onde o comércio e o agito fica altas horas da noite.
Voltamos para a pousada, arrumamos as coisas para voltar para casa no domingo, resolvemos sair bem cedo. Domingo amanheceu com muito frio e o céu com muitas nuvens. No caminho pegamos trânsito um pouco menos intenso como na ida para Bombinhas, a nossa preocupação era chegar a Garuva e lá parar tudo, mas isso não aconteceu, apesar de levamos em torno de cinco horas para chegar em casa, chegamos bem. Bombinhas é um lugar lindo para quem gosta de aventura, mas está longe de ser uma praia 100% limpa. O turista ainda não sabe o que significa “jogar o lixo nos lixeiros”, encontrei alguns lixos jogados nas praias, principalmente nas praias desertas. Mas isso não tira o titulo de Bombinhas de ser um dos lugares mais lindo que eu já vi.