Montanhas do Paraná e do Brasil

Montanhas do Paraná e do Brasil

Compartilhe

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Pico Ciririca - parte 1

Depois de um logo planejamento para fazer a travessia Ciririca/Graciosa, e perceber que essa travessia no momento não seria uma ótima idéia por causa da falta de conhecimento da região. A decisão de chegar ao Pico Ciririca e fazer o ataque no Agudos Cotia, também não foi possível.
Saímos de Curitiba as 7:00 da manha sentindo Terra Boa - Campina Grande do Sul. Eu, Patrick e Wilderson, estávamos contente pois o tempo estava maravilhoso. Em Curitiba um céu lindo e claro, a idéia de chegar no maximo em Terra Boa era de 7:40, mas o ônibus estava na base do pinga pinga, a cada 1 km parava para embarque de passageiros (um saco) mas tudo bem. Estávamos descontraídos dentro do ônibus e todo contente, era minha primeira vez que ia para o Pico Ciririca, sempre foi meu sonho, na ultima oportunidade que tive acabou chovendo e tivemos que abortar a trilha porque estava impossível de andar.

Acabamos chegando as 8:00 da manha no posto Túlio (uma referencia para os montanhistas que vão para a Fazenda do Bolinha), fizemos um lanche rápido e partimos para a estradinha. 40 minutos de caminhada, uma estrada de chão bonita, tranqüila, bem ruralzona.



Caminhando e contando histórias, passando por fazendas e rios até chegar no nosso primeiro desafio, passar entre bois e vacas,
na verdade um boi e uma vaca. Nada fácil para três montanhistas e principalmente quando uma delas se levanta ao nos ver, uma vaca de um lado da estrada e um boi do outro, o que fazer? Passar entre elas? Pedir Licença para passar? Xotá-las para elas saírem do lugar? Tarefa difícil, mas com cuidado passamos do lado esquerdo onde tinha uma gigantesca árvore caída no chão qualquer coisa é só subir nelas. Mas nada de mais aconteceu, a vaca que se levantou nem saiu do lugar, mas de longe nos observava, talvez tirando o maior sarro da nossa cara.

Chegando no Bolinha por volta das 9:00 da manha, paramos, pagamos, tomamos um refri, e com a roupa que estávamos, começamos a trilha, 9:30 para ser mais exato.
No começo uma trilha tranqüila, rios fáceis de passar, uma subida no começo que leva até o cruzo entre Tucum/Ciririca. Passamos por uma linda árvore e pelo jeito muito antiga, o seu troco tinha pelo menos uns 2 metros de uma ponta a outra (ou mais). Continuamos nossa empolgação, apesar de mochilas cargueiras nas contas fomos com menos peso possível, pouca roupa, comida suficiente para os 2 dias de expedição duas barracas e ainda sobrava lugar para as garrafas de águas que iríamos pegar na "ultima chance".

Depois que terminamos a trilha que leva no cruzo Tucum/Ciririca, começou a ficar mais difícil. Bambuzais por toda parte fechava nosso caminho, essa época, elas se entrelaço entre si dificultando nossa passagem, existia trechos até que tínhamos que passar por baixo delas (formando túneis). Passávamos por cima, por baixo, do lado, quebrando tudo com o corpo e com as mochilas, um sufoco.



Uma trilha bem fechada e bastante limpa, não encontrava nada de lixo, isso mostra que o lugar é visitado somente por montanhistas conscientes.
Chegamos na primeira cachoeira, eu, Wil e Patrick, paramos para fazer um lanche e tirar fotos, um lugar lindo, percebi que ali quando chove muito forte a vazão da água é gigantesca, se percebe nas rochas a força violenta da água, acredito que muitos já ficaram ilhado do outro lado desta cachoeira. Depois de um bom descanso, continuamos nossa caminhada.



A trilha começa a ficar mais difícil, um sobe e desce incansável entre vales e montanhas, passávamos por vários rios onde abastecíamos os cantis. A dificuldade ia aumentando cada vez mais, uma caminhada que exige força nos braços e pernas. O corpo já começava a demonstrar cansaço e a trilha cada vez mais fechada.
Em alguns trechos nos perdíamos, tentávamos encontrar as fitas novamente, como experiência toda vez que encontrava uma trilha diferente já suspeitávamos que ali possivelmente não era a trilha, as vezes chegávamos até a pegar trechos diferentes que acabava saindo na trilha novamente. As fitas vermelhas nos ajudávamos e muito.
E um dos trechos mais difíceis estava chegando. Um paredão liso escorregadio numa encosta de montanha (provavelmente Camapuã), com apenas cordas para descer e algumas raízes, muita força e concentração, pois cair ali já era, pois era uma queda de mais de 20 metros morro abaixo, confiamos um pouco nas cordas e descemos com calma, primeiro Will depois Patrick e logo em seguida eu, com paciência chegamos la embaixo com segurança.



Em seguida era só descida morro abaixo até chegar na cachoeira do Professor, uma cachoeira linda e bem preservada.



Paramos para tirar mais fotos e filmar tudo aquilo. Três outros montanhistas que também estavam indo para o Ciririca nos alcançou, conversamos um pouco e deixamos eles novamente para trás, pois já estávamos descansado para a longa e difícil caminha rumo ao cume da montanha.
E a subida continuava e continuava, ouvíamos apenas o barulho dos pássaros e das nossa botas no chão, já não se ouvia nossas conversas e brincadeiras e sim somente a respiração forte e profunda. Cinco horas de caminhadas depois, em fim chegamos na "ultima chance", o lugar é chamado assim pois ali é o ultimo lugar que possui água, dali em diante fica difícil encontrar água, e ficar sem água na montanha é pior besteira que existe, enchemos os cantis e mais as garrafas de água num total de 8 litros e continuamos a subida até chegar em fim na rampa do Pico Ciririca onde tínhamos a primeira visão da serrar do mar Tucum e Camapuã que significa em Tupi Guarany "seios erguidos". Agora é só encarar a rampa.

continua...