Montanhas do Paraná e do Brasil

Montanhas do Paraná e do Brasil

Compartilhe

terça-feira, 9 de março de 2010

Bosque em homenagem a Erwin Grogër "O Professor"

A cidade terá mais um bosque de preservação ambiental, que homenageará um dos precursores do montanhismo no Brasil, o professor Erwin Grogër. A homenagem foi determinada pelo prefeito Beto Richa, e a Prefeitura de Curitiba já está trabalhando nas obras de implantação do Bosque, no Abranches.

A nova área tem aproximadamente três mil metros quadrados, de frente para a rua Benedito Correia de Freitas, perto da Ópera de Arame. "A cidade ganha mais uma área de proteção e a população ganha um novo espaço para o lazer", destaca o prefeito Beto Richa.

O terreno é bastante inclinado, com uma diferença de altura de 12 metros entre a rua e o ponto mais alto do terreno. Por isso, os arquitetos da Secretaria Municipal do Meio Ambiente elaboraram o projeto de forma a aproveitar o máximo da paisagem do terreno sem alterar o bosque, que preserva importantes espécies vegetais nativas como canelas, guabirobas e canjeranas.

No meio do bosque, haverá bancos e caminhos feitos com deques de madeira elevados, para evitar a formação de trilhas na terra. Os deques terão aproximadamente 1,50m a 2,00m de altura em relação ao chão. Na entrada, uma praça será marcada com o desenho da Rosa dos Ventos, uma referência ao esporte praticado pelo professor Grogër, o montanhismo.

O austríaco chegou a Curitiba aos 26 anos, e foi um dos precursores do montanhismo no Brasil. O engenheiro agrônomo introduziu técnicas de escalada no Pico do Marumbi, na Serra do Mar paranaense, onde o esporte surgiu no país. Grogër morava na Barreirinha e morreu em 2008, aos 96 anos.

O arquiteto responsável pelo projeto do bosque, Tarquino Mota, explica que serão usadas na obra algumas referências asorigens do homenageado, como as cores da bandeira austríaca, vermelho e branco. "Agregamos elementos da vida do homenageado ao projeto", explica Mota. Ao redor da Rosa dos Ventos, placas de pedras indicarão as montanhas mais altas do Paraná (Pico Paraná), do Brasil (Pico da Neblina), e da Áustria (Monte Gross Glockner), além do Pico do Marumbi.

Encontrado corpo de montanhista desaparecido no Mercedário

Desaparecido desde o dia 23 de fevereiro, o andinista Javier Paduczek foi encontrado, sem vida. Paduczek estava ascendendo o Cerro Mercedário, a oitava montanha mais alta dos Andes, com 6770 metros, localizada na província de San Juan, Argentina. Ele estava acompanhado de uma montanhista, Paula Morán, mas em um determinado momento, ele resolveu se separar para tentar uma rota diferente, mas Javier não voltou ao acampamento. Paula esperou pelo amigo no refúgio “La Ollada”, a 5600 metros de altitude e como ele não apareceu, ela decidiu pedir ajuda.
Um total de 15 resgatistas fizeram as buscas, até finalmente acharem o corpo do andinista portenho dentro de uma greta na montanha. Não há informações se ele faleceu com a queda, ou se, preso dentro de uma greta e não tendo como sair, ele veio a falecer por hipotermia ou outros fatores. Esta temporada foi ruim nos Andes Centrais, houve mais nevascas e ventos do que o normal, o que pode ter ocultado a greta onde Javier caiu.

Esta é a oitava morte no Cerro Mercedário, um número que pode ser considerado elevado, já que são poucas as expedições que tentam escalar esta montanha.

Segue Histórias de cada um (link)

1959 - Um chileno - (sem nome)

1981 - Ama Tucumana - (montanhista feminina sem nome)

1999 - Um americano - (sem nome)

2002 - Um Militar - Cláudio José Jurczyszyn

2003 - Um Alemão - Andreas Colli

2005 - Marcos Ceballo

2005 - Um Fotógrafo Americano - Carl Skoog


Fonte: Alta Montanha