Montanhas do Paraná e do Brasil

Montanhas do Paraná e do Brasil

Compartilhe

segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Terça nada para fazer, quarta Caioba em baixo de chuva.



Depois da ressaca do dia seguinte em que tivemos que chegar empurrando as bicicletas, terça foi um dia de descanso, não fizemos nada ou fizemos, mas não vou contar nesse blog é claro. O dia amanheceu em baixo de chuva, muita chuva, as ruas estavam alagando com possas de águas para todo lado. Preparei um café especial para ela, não muito chique. As ruas estavam desertas. Almoçamos, e a tarde fomos para um lan house para saber da previsão do tempo, pois queríamos ir na quarta ou na quinta acampar na Ilha do Mel. O tempo não dava trégua, para dar uma descontraída na vida, ao cair da tarde fui rapidamente numa banca compra camarão e fazer uma aperitivo para nós dois, uma cervejinha para acompanhar e uma bebidinha especial para ela e ficamos a noite assistido TV.


Na quarta nada especial, resolvemos aproveitar que não estava chovendo em Santa Teresinha e decidimos a tarde ir para Caioba. O tempo parecia que ia ficar bom, só aparecia, ao chegamos em Matinhos mais chuva e muita chuva, Caioba estava alagado, ficamos ilhados num supermercado sem poder ir para lugar algum, esperamos o ônibus embaixo de muita chuva, fomos para o ponto de ônibus e pegamos o que já estava nos esperando. Caioba estava todo em baixo de água as ruas estavam alagadas.


Chegamos em casa, fiz uma jantinha fui comprar algo para levar para ilha do mel e ficamos mais uma vez assistindo TV. Fomos dormir cedo se é que você acredita rsrsrs, e torcemos para que na quinta feira o dia amanheça bom.



Próxima postagem: Ilha do Mel e um dia lindo

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Pedalada para Pontal do sul

14/02 nosso primeiro dia de lua de mel

Segunda feira amanheceu com um tempo nada bom, nublado e com boa possibilidade de chuva e sem chance se quer der ir para a praia tomar aquele bom banho de mar. Eu e minha agora esposa resolvemos então fazer algo diferente e com uma boa dose de aventura. Na casa onde estávamos hospedados em Santa Terezinha tem duas bicicletas que estão um pouco tomadas pela ferrugem e pelo tempo, mas acreditamos que elas nos levariam aonde quiséssemos. Almoçamos e partimos la pelas 14h00min em diante. Um passeio muito bom, andávamos pela calçada da praia pela beira do mar e as vezes para economizar um tempo pelo acostamento do asfalto que levava até Pontal do Sul ultimo balneário de Pontal do Paraná. Um vento muito forte começou a tomar conta da beira da praia, como estávamos de costa não precisava nem pedalar muito, o próprio vento nos levava. Passamos por Ipamena, Shangri-la, Olho d’água, balneários que fazem parte de Pontal do Paraná.




Depois de 02h30min pedalando chegamos até o embarque para a Ilha do Mel. Pedimos umas informações, pois estávamos com idéia de passar um dia e acampar em Brasília-Ilha do Mel. Tiramos algumas fotos descansamos um pouco e voltamos para a estrada. Tanto eu e Tanynha não somos muito acostumados a andar de bicicleta, depois desse tempo todo em cima dela, bom já sabe né, a bunda não agüenta rsrsr. Fiz um improviso no banco dela, mas nada adiantou, paramos para comer uma pizza que alias estava muito bom, e partimos novamente para chegar em casa. Dai em diante começou o pesadelo.




Já passava das 18h00min e estávamos a caminho quando a bicicleta dela estragou não podendo mais pedalar, tivemos então que empurrar as duas bicicletas. No começo saímos pelo asfalto sem acostamento, existia certo perigo de acidente, resolvemos então ir pela praia e sempre empurrando, o vento que estava a nosso favor aquela hora agora estava contra nós, um vento muito forte, a chuva também começou a cair com força que chegava a machucar os olhos e fora o frio que começou a tomar conta. Tanynha estava com meu anorak, essa foi minha sorte ter levado senão ela poderia passar muito frio. Continuamos nossa caminha onde o destino era as luzes do horizonte. O vento soprava fortemente que era muito difícil ficar o tempo toda na praia, as vezes pela calçada e as vezes pelo asfalto, a todo o momento procurávamos uma saída melhor para a nossa caminhada. As bicicletas estavam cada vez mais pesadas, mesmo as empurrando parecia que estávamos empurrando uma moto pequena.


Não fomos preparados para caminhar, eu fui de sandália e ela de chinelo, não imaginávamos que era muito distante o lugar e nem imaginávamos que iríamos caminhar. O tempo passava e já era as 20h00min da noite, escureceu e o medo começou a tomar conta, pois sem lanterna ir pelo asfalto sem acostamento não era muito seguro, mas era o único lugar que não ventava muito, mas para evitar um acidente fomos de vez pela praia e pela calçada, quando existia. Tanynha já não agüentava mais empurrar a bicicleta dela então resolvi empurrar as duas. Passamos por uma parte bem deserta da praia, sem casa sem lugar para ficar, o medo era que a maré subisse a qualquer momento. As luzes de Shangri-la estavam muito longe. Caminhamos cada vez mais rápido para chegar nas luzes antes de ser surpreendido pela maré. Já passava das 21h00min quando chegamos nos primeiros postes de luzes, paramos numa daquelas bancas de pesqueiro onde ficamos ali uns 20 minutos descansando e nos aquecendo eu já estava com muito frio, ela estava aquecidas ainda por causa do anorak que a protegeu bem. Ir pela praia ou pela calçada estava muito cansativo e resolvemos voltar pelo asfalto, onde já era possível ir pelo acostamento.


A cidade estava deserta, pouco movimento nas ruas, o meu maior medo foi quando passamos por um ponto de ônibus aonde estava um cidadão muito estranho com a mão na frente da barriga dando a impressão que poderia ali puxar uma arma, mas foi só um susto.


Depois de uma longa caminhada de três horas, chegamos em Ipanema, tanto eu como Tanynha não agüentávamos mais a caminhada e empurrar as bicicletas, a chuva já tinha parado, mas por pouco tempo, logo que chegamos na rua principal resolvemos ir pela calçada da praia para fugir um pouco da rodovia para evitar assalto. Continuamos e a chuva voltava a nos castigar, faltavam ainda uns 3 km, nos deparamos por uma estrada vazia e escura e totalmente deserta, o jeito foi ir pela areia da praia novamente para fugir da estrada escura. E mais uma hora e vinte minutos estávamos na nossa casa. Cansado, todo desgastado e com muito frio, chegamos e bem e a salvos, prontos para contar essa historia para todos.
Uma igual essa vai demoraaaaaaaaaaaaa.


Proxima postagem: Terça nada para fazer, quarta Caioba em baixo de chuva

Um dia lindo - Nosso casamento


Um dia lindo
Finalmente chego o grande dia, nos preparamos tanto para isso, foi um ano inteiro pensando nos preparativos para agradar todos nossos convidados. O nosso casamento já estava pronto para acontecer. O único problema era a chuva, tínhamos marcado para fazer um lindo casamento que seria no campo, lugar pronto e lindo, mas que infelizmente a chuva iria chegar e atrapalhar esse plano. O jeito foi improvisar, o pessoal da decoração fez o casamento na entrada do salão, que caiu muito bem. Devido a chuva todo plano tinha mudado. Mas o momento chegou, la estava eu esperando minha pequena princesa, todos aguardava com paciência, um atraso tinha ocorrido, não culpa da noiva, mas sim por causa de algumas situações. O horário marcado era às 17h30min, mas começou às 18h15min. Depois da minha entrada, logo chegou o grande momento, la aparecia ela toda linda, a noiva mais linda que já vi, meu coração batia de emoção e a dela também. Depois de uma linda cerimônia, ela preparou uma surpresa cantando um musica que fez muita gente se emocionar, inclusive eu. “Como eu te amo” era o titula da musica. Fortes emoções. Depois da cerimônia vem a festa, um jantar maravilhoso e preparado com carinho, cumprimentamos os convidados, abrimos o bartender com um drinque a mesa de doces e fizemos uma dança maravilhosa. A Festa terminou no horário previsto 01h00min da manha, já todos tinha ido embora. Isso foi ótimo pois estávamos muito cansados. Uma festa linda, recebida com muitos elogios. E que foi preparada com carinho. A partir de hoje vou postar o que foi nossa lua de mel.

Foram 7 dias sendo que três deles embaixo de muita chuva, uma visita na Ilha do mel para conhecer a Fortaleza lugar que ainda não conhecia, uma pedalada até a entrada do embarque para Ilha do Mel que resultou numa volta sofrida, conheci a praia mansa de Caioba e andamos de caiaque, uma maravilha e nos outros dias sol e praia. Uma lua de mel maravilhosa que vou contar. Cheio de aventuras, chuva, diversão e histórias.
Na próxima postagem. Primeiro dia “Pedalada para Pontal do sul”
Agora sou um homem casado e muito feliz.