Montanhas do Paraná e do Brasil

Montanhas do Paraná e do Brasil

Compartilhe

quarta-feira, 30 de outubro de 2013

13/10/2013 - Entre cansaços, tombos e arranhões todos sobreviveram.


O Pico do Marumbi é uma montanha que fascina, uma montanha completa, “escalaminhadas”, grampos, correntes e vales. Não que seja uma montanha difícil, pois, é bem sinalizada e demarcada para evitar erros na trilha.  Os seus obstáculos são desafiadores dependendo da trilha que for fazer, é bem exposta. Combinei com o pessoal da Equipe Tiamat de Florianópolis a leva-los para fazer todo o conjunto que se inicia na Noroeste ou trilha vermelha e volta pela Frontal trilha branca. Uma caminhada de aproximadamente de 5 a 6 horas desde o seu inicio, já era minha quinta vez a fazer todo o conjunto.  E as montanhas como a Ponta do Tigre, Abrolhos, Esfinge e o Olimpo já fiz inúmeras vezes.

Acampamento no Sr. Chiro


Levar a Equipe Tiamat para o Marumbi é para mim uma alegria, a equipe é bem formada e experiente e tem excelente caminhada. No sábado combinei um encontro com o pessoal logo no inicio das Prainhas em Ponto de Cima, onde esperei com paciência para um bom churrasco no camping do Sr Chiro.
Acordamos bem cedo no domingo e partimos para o Marumbi, depois de 01h30min de caminhada chegamos à base da montanha, fizemos o cadastro e logo fui questionado sobre a trilha que íamos fazer.  O tempo, o horário, e a equipe experiente e a trilha que conhecia bem, não seria um problema. Estávamos realmente num numero bem grande de pessoas, mas mesmo assim isso não me incomodava. Começamos a caminhar rumo à cima, a Equipe Tiamat me acompanhava e eu passava informações importantes sobre as montanhas e a trilha em que estávamos. O nosso ritmo estava indo bem, calculava o horário de caminhada e conforme chegávamos aos pontos importantes verificava que estava no previsto. Ao chegarmos nas corretes e escadas mais longos a demora era um pouco maior e mesmo assim estávamos de acordo com o horário. Passamos no Vale das Lagrimas com um pouco de dificuldade e mais lento, isso foi importante para evitar alguns machucados que ali causa. Depois de 02h40min minutos de caminhada chegamos à bifurcação Ponta do Tigre/Abrolhos e paramos para fazer um bom lanche. Partimos para a Ponta do Tigre onde começou a aumentar a dificuldade. Até chegamos ao Apartamento foi mais uma hora, e mais uns 30 minutos até a Ponta. Depois de 04h30min minutos chegamos ao nosso destino, paramos e tiramos muitas fotos, percebi que todo o grupo estava firme e forte. O visual estava lindo, poucas nuvens e não muito quente. O nosso destino agora era o Olimpo, na crista do Gigante já era possível ver o cume do Olimpo.

Começo do Vale das Lágrimas 






Lanche forte na bifurcação  P/A

Apartamento 

Cume da Ponta do Tigre


Toda equipe na Ponta do Tigre
A chegada era certa, mas logo percebi que o horário que tinha estipulado começava a ficar difícil de alcançar, porém não estava ali para ver isso, e sim para aproveitar aquele momento com a equipe, não me importava em que horário chegar o importante era chegar bem. Os arranhões começavam a aparecer e as incertezas também. Logo quando chegamos à saída da trilha da frontal, o casal Mario e Assiris, resolveram descer, uns dos motivos era buscar a van no Iap e levar até Eng. Lange que não teve muito sucesso, outra era que sua namorada já estava no seu limite. Continuamos e depois de 05h30min chegamos ao cume do Olimpo. Uma alegria contagiava o grupo, nos seus olhos era visível a emoção de alcançar o conjunto todo, mas também a preocupação de chegar ao final. Diana e Sergio carimbaram no seu curriculum mais uma conquista, Diana que estava acompanhava com seu filho estava numa felicidade imensa. Tereza, André, Lucas, Terezinha, Joara, Viviane, Djalmo, Evanete e Luiz, alcançava naquele momento o cume do Marumbi.
Logo começamos a descer, o drama naquele momento começa a surgir. Com o cansaço em vista e a vontade imensa de terminar a trilha tomava conta de todos. Logo no inicio um susto. Lucas, que caminhava bem a frente escorrega e cai, mas nada de grave, somente algumas escoriações e lembrança da trilha. Com a vontade imensa de chegar no final eu e Terezinha estávamos bem adiantado.  Terezinha teve uma sensação de ficar e esperar o grupo que estava logo atrás. Eu, Tereza, André e Djalmo chegamos no vale dos marumbinista e estávamos bem adiantado. Esperamos o resto do grupo naquele ponto e a demora era constante e a escuridão já tomava conta da montanha e nada se via de luzes na trilha, comecei a ficar preocupado. Depois de mais de uma hora esperado o restante, aparece a Diana. Percebi em seu tom de voz a preocupação, uma das pessoas que nos acompanhava na trilha e que estava caminhado bem, começou a sentir o cansaço. Eu e André partimos correndo para cima a encontrar Sergio e Terezinha que estava ajudando-a a descer. Talvez o despreparo ou a força que se usa para descer os grampos podem ter sido o problema do cansaço muscular que ela apresentava. Levamos água e ajuda. Diana partia com o grupo para terminar a trilha enquanto eu e Sergio descíamos o restante. Trechos que se leva 10 minutos para terminar chegámos a fazer em uma hora e meia. Cada passo era importante e minha preocupação de chegar em casa já era eminente. Quando estávamos a uns 30 minutos de terminar a trilha aparece o Cosmo (grupo de resgate a montanha) para fazer o resgate. Sem necessidade na minha opinião, pois todos estavam bem, o único problema era o cansaço muscular que tomava conta de um dos integrantes do grupo que com muita força de vontade queira terminar como uma guerreira em uma grande batalha.


Torre do Sino e Abrolhos vista na trilha da Ponta do Tigre



Sapo montanhista
A caminhada chega a seu final depois de onze horas de trilha e ainda tinha a descida até o Iap na estrada do Eng. Lange. Minha preocupação agora era avisar minha esposa que estava bem. O único trecho que poderia ligar era no final da estrada, próximo onde acampamos, a outra preocupação agora era minha gasolina que estava bem abaixo do reserva, santo carro palio que me levou até o primeiro posto depois de mais de 30 km, cheguei em casa morto de cansaço, mas muito feliz, pois é mais uma história de aventura que posto nesse blog.

Parabéns a toda equipe Tiamat que vieram de Florianópolis para fazer essa montanha. Parabéns a todos por essa conquista. Independente do que aconteceu o importante é que todos chegaram bem. Pois, fazer o conjunto do Marumbi é mais que fazer uma montanha é sim conquistar e desafiar seus limites. 


André e ao fundo Olimpo

No cume do Olimpo





Encosta da Esfinge




Abrolhos vista do Ponta do Tigre

Ciririca, PP e Agudos da Cotia

Torre do Sino


4 comentários:

Diana Rosa disse...

Reginaldo, foi uma das trilhas mais desafiantes que já fiz, sou eternamente grata a vc pela parceria , é uma honra caminhar ao seu lado . Os percalços fazem parte e são importantes ao nosso aprendizado, mas foi bom testar os brios , o psicológico e a parceria . Orgulho de ser sua amiga! Valeu vamo pra próxima!

terezinha disse...

Foi muito bom fazer esse conjunto de montanhas com você Reginaldo, valeu pela parceria e confiança que depositou em nós e vamos prá próxima!

terezinha disse...

Muito bom teu relato Reginaldo, foi um enorme prazer fazer essa trilha guiados por você,grande parceiro.e vamos prá proxima!

Maria Tereza disse...

Concordo com Diana , realmente a mais difícil que fiz , e aque mais amei. Obrigada Reginaldo Mendes e a nossa equipe tiamat .