Montanhas do Paraná e do Brasil

Montanhas do Paraná e do Brasil

Compartilhe

quarta-feira, 14 de abril de 2010

10 anos de escalada ao K2

Waldemar Niclevicz se prepara para celebrar 10 anos da escalada ao K2

Após dez anos de uma de suas principais conquistas, Waldemar Niclevicz fará uma homenagem a conquista brasileira do K2. Em junho, o montanhista, ao lado de Irivan Gustavo Burda, seu parceiro em 2000, iniciam a “Expedição Comemorativa dos 10 Anos da Conquista Brasileira do K2”, na qual a dupla irá escalar o Hidden Peak e o Broad Peak – a 11ª e 12ª montanhas mais altas, respectivamente.

Niclevicz lembra que, quando chegou próximo aos dez anos da escalada ao Everest, não pensou duas vezes e já planejou uma nova escalada à montanha mais alta do mundo. Com o K2 não foi diferente: dois anos antes da data, eleja planejava a expedição, mas com uma única certeza: não iria escalar novamente a montanha de 8.612 metros de altitude.

“Comecei a pensar em algo para aproveitar este momento e retornar ao Paquistão. Mas coloquei na cabeça que, quando terminasse de escalá-lo, eu nunca mais voltaria para lá. E não quero voltar ao K2. Embora seja uma montanha muito bonita, é muito perigosa. Tentei escalar esta montanha por três anos (98, 99 e 2000); hoje posso dizer que a conheço muito bem e que até teria chances de chegar ao cume. Só que não estou a fim de correr o risco que corri nesta montanha novamente. Mas aí veio a idéia de voltar ao Paquistão e fazer montanhas vizinhas, com mais de 8 mil metros e assim, matar as saudades”, explicou o montanhista, que foi o primeiro brasileiro a escalar a “Montanha da Morte”.

O alpinista paranaense com a bandeira brasileira no cume do K2
Foto: Waldemar Niclevicz

A escolha da dupla em escalar as duas montanhas da região do Karakorum (que é separado do Himalaia pelo Rio Hindu) por serem as duas com mais de 8 mil metros. A região é formada por aproximadamente sete picos, bem diferentes das montanhas do Himalaia. “Por exemplo,o Karakorum é muito mais imponente, e até as montanhas menores são mais verticais, escarpadas. A mais conhecida é a Trango Tower, com 6 mil”, explicou.

Niclevicz já havia escalado o Broad Peak em 1999 e quase conquistou o cume do Hidden, ao alcançar 7.100. “Posso falar que conheço bem a região, boa parte da via de escalada, mas não deixa de ser montanhas muito difíceis”.

Longe do K2? - Waldemar e Irivan, em outras montanhas, não estarão tão distantes do K2. Em linha reta, o Hidden Peak, a primeira montanha a ser escalada, a distância é de 12 quilômetros do cume do K2; enquanto a Broad Peak é mais próxima, 3 km. “Realmente voltarei aos domínios da montanha da morte”, disse o escalador.

Os planos já estão prontos e o embarque será no dia 5 de junho, rumo à Itália. Os brasileiros devem escalar o Maciço do Monte Rosa e aproveitar cinco dias de aclimatação na região para, dia 13, embarcarem para o Paquistão. Junto com a dupla estarão na expedição escaladores da Guatemala e do Equador.

Fonte: webventure

Nenhum comentário: